Header Ads Widget

Chacina em Cruz das Almas: Reportagem mostra que ao menos três dos mortos tinha ficha criminal


Pelo menos três dos cinco mortos na chacina ocorrida na madrugada desta segunda-feira (25), na cidade de  Cruz das Almas, no Recôncavo baiano, têm envolvimento com o tráfico de drogas. As informações são do site Aratu On com fontes da Secretaria da Segurança Pública. As ocorrências mostram que a polícia já havia tentado prender o grupo várias vezes, mas sempre conseguiam fugir.

Ainda de acordo com a matéria, ainda não há informações sobre os autores dos assassinatos de; Dhavison Augusto Silva Santos do Espírito Santo, de 26 anos; Alana de Almeida Santana, 24; Rafael Pereira Cardoso, 29; Everton Bispo Conceição Batista, 22; e Luan dos Santos Costa Ferreira da Conceição, 29. Todos morreram no local. Uma adolescente de 16 anos também foi atingida e socorrida para um hospital da região. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

A Polícia Militar chegou a informar que quatro deles já tinham ficha criminal na delegacia local, mas a reportagem encontrou crimes nos nomes de três deles. Alana é apontada como esposa de Dhavison, o "mais fichado" do grupo, mas não encontramos nenhum crime diretamente relacionado a ela.

Em nota, a Polícia Civil informou que já apurado que todas as vítimas participaram de uma festa conhecida como Lavagem do Areal, e quando retornavam para as cidades de São Félix e Muritiba, onde a maioria morava, foram surpreendidas por homens encapuzados e em motocicletas, na Avenida Getúlio Vargas, próximo à sede da 27ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM). A principal linha de investigação é de o crime esteja ligado à disputa do tráfico de drogas.

VEJA AS FICHAS

DHAVISSON

Dhavison Augusto Silva Santos do Espírito Santo, de 26 anos, é apontado pela polícia como o alvo principal da chacina. Ele já tinha participado de uma troca de tiros com a PM e sido fichado duas vezes por "provocar desordem na delegacia".

Na troca de tiros, ocorrida na margem do Rio Paraguassu, Dhavison estava com outros três homens apontados como comparsa. Após a chegada da guarnição, o grupo teria começado a atirar e, em seguida, fugido nadando pelo rio.

Fontes confirmaram a reportagem que o lugar é ponto frequente de tráfico e ele já havia sido avistado algumas vezes, mas apenas nesta ocorrência foram encontrados documentos que provassem sua identidade - na fuga pelo rio, eles deixaram cair uma pochete com drogas e os documentos -.

Outro crime pelo qual Dhavidson é responsabilizado é uma tentativa de homicídio de um homem que foi baleado dentro da casa da namorada dele e não teve o estado de saúde divulgado. As investigações apontam que, um dia antes do crime, o suspeito e os amigos que estavam no rio haviam disparado contra o sogro da vítima. Em depoimento, o homem de 51 anos informou que os criminosos atentaram contra sua vida e fizeram disparos na sua casa por achar que ele teria denunciado o grupo a polícia.

ALANA

Alana de Almeida Santana, de 24 anos, estava grávida quando foi morta na chacina, conforme informado pela Polícia Civil. O pai do filho seria Dhavidson, com quem tinha um relacionamento. A busca pelo nome de Alana não resultou em nenhum crime.

LUAN

Luan dos Santos Costa Ferreira da Conceição, de 29 anos, também foi "fichado" por uma troca de tiros com a PM, em uma situação muito parecida com a Dhavisson: ele e um grupo de amigos também estavam na margem do Rio Paraguassu, foram flagrados e tentaram fugir a nado. Luan, entretanto, não conseguiu despistar os policias.

Os registros apontam ainda que ele é suspeito de um assalto a uma loja na cidade de Muritiba. Ele e um grupo de amigos foram denunciados pelo disk-denúncia, ocasião na qual a polícia encontrou-os próximo ao rio. Alguns conseguiram fugir, mas Luan e outros dois foram detidos.

EVERTON

Já Everton Bispo Conceição Batista, de 22 anos, o mais novo do grupo, foi preso por portar cocaína. Conforme sua ficha criminal, ele estava com 18 pinos do pó branco, R$ 373 em espécie e um relógio dourado.

RAFAEL

A busca pela ficha criminal de Rafael Pereira Cardoso, de 29 anos, não apresentava ficha criminal. Com isso, fica difícil afirmar se ele também era alvo dos atiradores ou se foi vitimado por acaso durante o ataque.

Com informações do AratuON

Postar um comentário

0 Comentários